Cinefilando Críticas: X-Men: Primeira Classe

X-Men: Primeira Classe

(X-Men: First Class)

Ano: 2011

Gênero: ação

Mídia: cinema

Segunda-feira fria em SP, pré-estréia de um dos mais esperados filmes do ano: X-Men Primeira Classe.

Ao analisarmos a franquia de filmes sobre os mutantes só poderíamos ter uma expectativa baixa em relação a qualidade deste novo filme, afinal X-Men I e II não passam de regulares, X-Men III é ruim e Wolverine muito ruim! Mas para quem cresceu acompanhando a trajetória dos mutantes nos quadrinhos sempre sobra um pouco de esperança, e com esse sentimento lá fui para a pré-estréia. Salas lotadas e a ansiedade no ar, o filme começa…duas horas e vinte minutos depois chega ao fim, a sensação é apenas uma “finalmente acertaram”.

A sinopse do filme é contar a origem da escola de mutantes, surgimento de dois grandes personagens, Magneto (Michael Fassbender) e Prof. Xavier (James McAvoy), além de mostrar o motivo do rompimento da amizade entre os dois. Como pano de fundo temos o surgimento dos mutantes para o mundo e o do Clube do Inferno. O vilão principal é Sebastian Shaw (Kevin Bacon) – nos quadrinhos conhecido como Rei Negro – que junto com Rainha Branca (January Jones), Azazel (Jason Flemyng) e Maré Selvagem (Aléx González, sem nenhuma fala!) tramam jogar EUA e União Soviética um contra o outro, gerando assim a terceira guerra mundial e consequentemente a nova ordem mundial, onde haveria o domínio dos mutantes sobre os humanos normais.

X-Men: Primeira Classe começa com o drama passado pelo jovem Eric (Magneto) nos campos de concentração nazistas contrastando com a infância abastada de Charles Xavier. Desde o inicio os personagens são apresentados como antagonistas, mas o destino os coloca frente a frente. A trajetória do filme já é traçada nos minutos iniciais, pessoas tão diferentes ligadas apenas por um fator: o gene mutante. A partir daí a história se desenvolve de maneira gradativa, rápida, porém sem atropelos, o diretor Matthew Vaughn ( Kick-Ass) mostrou como domar um universo lotado de personagens importantes, dedicando se a alguns personagens específicos, porém sem se esquecer dos secundários. O filme possui um ritmo perfeito, em nenhum momento a narrativa cai ou é desacelerada, cena a cena o desenvolvimento do filme se mantém constante. Outro grande mérito do diretor é dar “peso” a personagens importantes que foram mal explorados nos filmes anteriores, por exemplo Emma FrostRainha Branca – nesta nova história ganhou importância, se tornando uma personagem de grande destaque. No desenrolar da história vemos a formação de caráter dos principais personagens, afinal boa parte deles são muito jovens, claro que alguns personagens são mostrados de forma muito superficial (nada cause problemas).

Outro ponto positivo é o fato de conseguir mudar muita coisa das HQs, por exemplo a inclusão de personagens como Darwin (Edi Gathegi) e Angel (Zoe Krativz )que não são contemporâneos aos primeiros x-mens, sem causar estranheza para os fãs dos quadrinhos. Muita coisa mudou, mas muita coisa está lá, ver Banshee com as “asas de borboleta” foi algo sensacional, afinal de contas quem esperava a mesma estética dos primeiros filmes dos x-men se surpreendeu.

Visualmente o filme é ótimo, mas duas coisas me causaram estranheza: Mística quando criança – estranha,parece usar um capacete -, e o Fera – maquiagem me pareceu muito “fake”-, nada que comprometa mas poderiam ter caprichado mais.

Trilha sonora afinada, roteiro bem escrito compõem este que é um dos melhores filmes de heróis da época atual, rivalizando com Batman (Begins e Cavaleiro das Trevas) e Homem de Ferro.

Ação do começo ao fim, atuações redondas e uma excelente direção resultam em um ótimo filme, que consegue passar aos espectadores um série de sentimentos, raiva, angústia entre outros. O mais incrível é que o diretor consegue causar surpresas as pessoas que assistiram aos demais filmes, e até mesmo aos leitores das HQs.

Surpreendentemente ótimo.

O filme estréia na próxima sexta, 06 de junho, recomendadíssimo.

Nota: 8,5

Anúncios

4 Respostas

  1. Dou nota 9 para o filme, foi ótimo! Ah, eu achei a caracterização do Fera muito boa, inclusive os efeitos sonoros! Abração!!!

  2. Tô loko pra ver!!! Mas não concordei com a primeira parte do texto sobre os outros X-Men… achei todos fodásticos… coloquei-os na minha lista como os melhores filmes de herois que vi, junto com o batman…rsrsr o Origens Wolverine é fenomenal !!! opnião é pra isso mesmo: cada um ter a sua..ehheheh

  3. Realmente opinião cada um tem a sua, se gostou dos outros filmes mutantes vai adorar este novo …

  4. Filme Fraco, direção fraca, a melhor parte do filme foi a aparição do Wolverine mandando os dois se F…rem, e o Fera??? o que fizeram com aquela fantasia de “conga”, Horrivel, pelo amor! os caras nao tomam vergonha na cara e produzem um fillme decente, Não basta pegar o quadrinhos do Jee Lee e fazer uma roupa legal para o magneto, em vez daquele trapo dele que o faz paracer um padre, e não demonstra toda a imponencia do personagem, detestei o filme, o ator do Magneto estava bom, mas ainda falta muiiiittttoooo, pelo jeito deveriam contratar a produção do Novo Batman – Cavaleiros das Trevas, para fazerem um filme bom.

    Rivalizando com Batman Beggins?????? desculpa… nem ferrando!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: