Estréias: Meia Noite em Paris

lancamentos Meia Noite em Paris

As estréias do fim de semana no cinema:

Estrada Real da Cachaça (2008), documentário nacional que busca mapear a trajetória da cachaça no país.

Potiche: Esposa Troféu  (2010), comédia francesa sobre uma mulher que administra melhor a fábrica do que seu marido machista.

Mamonas para Sempre  (2011), a história da trajetória dos Mamonas Assasinas, banda que fez um sucesso meteórico e acabou de maneira trágica.

Top Models – Um Conto de Fadas Brasileiro (2009), mais um documentário brasileiro, agora sobre a trajetória de super  modelos brasileiras.

Vênus Negra (2010), drama que narra a história de uma mulher negra, que em busca da fama na Inglaterra, se vê tratada apenas como uma aberração. 

O destaque entre as estréias não poderia ser outro se não o novo filme do gênio Wood Allen:

Meia Noite em Paris (2011), Owen Wilson parece ter tirado a sorte grande, afinal a sua filmografia não é das melhores – Zoolander, Starsky & Hutch, Marmaduke – e mesmo assim foi convidado por Wood Allen para estrelar o seu novo filme, ao lado de Rachel McAdams Vôo Noturno, Sherlock Holmes. O casal está prestes a ir para Paris onde o personagem de Owen (Gil) irá fechar um grande negócio, mas a viagem disperta em Gil o velho desejo de ser escritor. 

  

Anúncios

Estréias: Eu Matei Minha Mãe

lancamentos Eu Matei Minha Mãe

O destaque das estréias deste fim de semana é este filme francês que trata do eterno conflito entre pais e filhos, neste caso a mãe e o seu filho adolescente.



Em SP o filme estará sendo exibido em 2 cinemas:

  • Cine Belas Artes; R. da Consolação, 2.423 – Consolação
  • Frei Caneca Unibanco Arteplex – R. Frei Caneca, 569, 3º piso – Consolação

Lançamentos: The Horde

lancamentos The Horde

Produção francesa que dificilmente será trazido para os cinemas brasileiros.

Com uma ótima produção o filme traz a história de 4 policiais que ao invadirem um prédio se deparam com centenas de zumbis.

Não possui data de estréia, nem mesmo na gringa.

Cinefilando Crítica: Irreversível

irreversivel

Irreversível

(Irréversible)

Ano: 2002

Gênero: Drama/Violência

Mídia: dvd

O que mais “incomoda” é a câmera, tremula e nervosa, passa ao espectador uma sensação de imersão aos acontecimentos. O filme é contado do fim para o começo, nada novo, afinal vários filmes já fizeram isso, porém uma bela edição faz com que o filme não se torne cansativo. Com uma narrativa dinâmica o filme conta a história de um estupro e dois colegas que vão em busca da vingança.

O filme possui duas cenas que são extremamente violentas, não consigo me lembrar de algo tão violento (nem mesmo o final de Rambo IV !!!) quanto a cena na boate e o estupro, estupro esse que choca pela realidade e por ter sido gravado de apenas um ângulo, o que dá um tom extremamente angustiante, além do que a cena dura muito tempo o que aumenta o drama minuto a minuto.

“O tempo destrói tudo”.

Recomendo totalmente (mas apenas para quem tem estomago forte).

Nota: 9,5